Untitled Document

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

TERÇA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO DE 2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

20 de ABRIL de 2017

Justiça recebe denúncias sobre irregularidades no FGTS

Muitos trabalhadores estão sendo pegos de surpresa ao se dirigirem à Caixa para sacar seu Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de contas inativas. FGTS depositado a menos em determinada competência, falta de depósito ou contas zeradas são algumas das irregularidades verificadas. Ao verificar inconsistências, o trabalhador pode formalizar denúncia anônima contra a empresa.

"Estamos intensificando a fiscalização, inclusive com a implantação do sistema antifraude no Ministério do Trabalho, para defender os direitos dos trabalhadores", disse o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira.

Aumento de denúncias

Com o início do saque das contas inativas do FGTS, aumentou a movimentação de trabalhadores no Ministério do Trabalho em todo o País. Já foram registradas 6.934 denúncias contra empresas com irregularidades no FGTS, de 23 de dezembro de 2016 a 15 de março de 2017. Em todo o território nacional, o aumento chega a 43% em comparação ao mesmo período do ano anterior, quando foram contabilizadas 4.831 queixas.

Recuperação dos recursos

De acordo com a chefe de fiscalização do FGTS na Bahia, Liane Durão, o trabalhador pode procurar o sindicato representante da categoria profissional ao qual pertence ou uma superintendência, agência ou gerência do Ministério do Trabalho na cidade dele.

Outra opção é oferecer denúncia ao Ministério Público do Trabalho ou ingressar com reclamação na Justiça do Trabalho. Mesmo que a empresa não exista mais, o trabalhador pode ingressar com uma ação na Justiça do Trabalho e pedir o pagamento do FGTS a que tem direito. O trabalhador pode entrar com uma ação até dois anos após o desligamento da empresa para cobrar o benefício.

"É bom ressaltar também que o Ministério do Trabalho pode cobrar até 30 anos de FGTS, pois a decisão do STF que restringia a cobrança a cinco anos foi modificada, ou seja, até 13 de novembro de 2019 este órgão fiscalizador continua cobrando até 30 anos os recolhimentos ao Fundo de Garantia do trabalhador", explicou Liane.

A rede de atendimento para todo o Brasil está disponível no site do Ministério do Trabalho. Não existe prazo para fazer a reclamação. Os documentos necessários são apenas carteira de trabalho e número do PIS.

O que diz a lei

O depósito de FGTS está previsto na Lei 8.036/1990, que determina que todos os empregadores são obrigados a depositar, em conta bancária vinculada, o correspondente a 8% da remuneração do trabalhador no mês anterior. A lei prevê ainda que os depósitos devem ocorrer mensalmente até o dia 7 e, quando a data não cair em dia útil, o recolhimento deverá ser antecipado. Além disso, as empresas são obrigadas a comunicar mensalmente os empregados sobre os valores recolhidos.

Para verificar se os valores foram depositados, o trabalhador pode consultar um extrato atualizado da conta vinculada do seu Fundo de Garantia. O documento pode ser obtido em qualquer agência da Caixa, apresentando o Cartão do Trabalhador ou a Carteira de Trabalho (CTPS) e o cartão ou número do PIS. Também é possível fazer a consulta baixando o aplicativo do FGTS.



Fonte: Portal Brasil



» VEJA TAMBÉM!
GERAL  26/09/2017
Azambuja confirma reunião sobre exploração de petróleo e gás em  [...]
GERAL  26/09/2017
Temer cogita perdoar dívidas de parlamentares
GERAL  26/09/2017
Padrasto brasileiro é suspeito de matar enteado em Portugal
GERAL  26/09/2017
Garoto pula da garupa de bicicleta, se desequilibra, cai e morre atr  [...]
POLíCIA  26/09/2017
Naviraí-Homem com R$ 98 mil é preso por tentar subornar policiais   [...]

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Untitled Document
TáNaMídia Naviraí
Editor: Umberto Cardoso (Zum)
E-mail: zum@tanamidianavirai.com.br
Endereço: R. Jamil Salem, 27 CENTRO
Naviraí - MS - Brasil
+55 67 9956-1909