Untitled Document

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

QUARTA-FEIRA, 18 DE OUTUBRO DE 2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

20 de JULHO de 2017

Naviraí- Dr. Lucimar Sperotto estará atendendo nesta sexta-feira no Centro Médico Santa Ana

Nesta sexta-feira (21), o Dr. Lucimar Sperotto estará atendendo em Naviraí, no Centro Médico Santa Ana. Agende já sua consulta pelo telefone: (67) 3461.1697

Você tem zumbido no ouvido? Depressão e doenças neurológicas estão entre os fatores que desencadeiam a sensação auditiva desagradável.

O zumbido no ouvido é um barulho incômodo que uma pessoa escuta sem a existência de uma fonte sonora. De acordo com a Associação Americana de Zumbido (ATA, na sigla em inglês), 20% das pessoas convivem com o problema. Entre os idosos acima dos 70 anos, a incidência é de 25%.

Há zumbido agudos e graves, semelhantes a barulhos como apito, chiado, cachoeira, panela de pressão, motor e grilo. O incômodo é comum depois que um indivíduo frequenta ambientes ruidosos, como festas e shows, que podem destruir as células do ouvido. Caso o ruído permaneça no dia seguinte ao evento, é preciso procurar um médico. “O zumbido costuma ser consequência da perda de audição. Ele é uma tentativa do sistema responsável pela audição em compensar a falta do estímulo que deveria estar presente”, explica Rinaldo Lopes de Melo, otorrinolaringologista do Hospital Norte D’Or, no Rio de Janeiro.

CAUSAS

 Além da perda de audição, doenças neurológicas, acúmulo de cera no ouvido, depressão e dieta inadequada estão entre as causas do problema. No caso dos fatores fisiológicos, a sensação é desencadeada por falhas na vascularização do ouvido. Com a passagem sanguínea insuficiente, as células têm menos oferta de oxigênio e não conseguem se nutrir adequadamente, o que prejudica o metabolismo da região. Já a depressão altera os neurotransmissores responsáveis pela audição.

Outra causa é o uso excessivo de medicamentos como ácido acetilsalicílico, anti-inflamatórios e antibióticos. “Essas drogas podem prejudicar a irrigação sanguínea na orelha interna ao promover a vasoconstrição ou modificar a oferta de nutrientes para as células da região ao alterar o metabolismo de carboidratos e lipídeos”, explica Estelita Betti, otorrinolaringologista do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

TRATAMENTO

De acordo com Lopes de Melo, não existe um único tratamento eficaz para todos os tipos de zumbido. “Algumas medidas diminuem e eliminam o problema. O sucesso do tratamento depende das causas do zumbido e da resposta individual”, diz Lopes de Melo.

As terapias mais utilizadas são à base de medicamentos – vasodilatadores, anticonvulsivantes, ansiolíticos ou antidepressivos -, uso de aparelhos de amplificação sonora, estimulação magnética transcraniana e a chamada Tinnitus Retrainig Therapy (TRT), que consiste em habituar o paciente a conviver com o som a ponto de não notá-lo. Em casos de depressão, recomenda-se acompanhamento psicológico.

1. DEPRESSÃO

A depressão causa zumbido por alterar os níveis dos neurotransmissores responsáveis pela audição. “Estudos mostram que até 60% dos pacientes com zumbido crônico têm depressão e 45% apresentam ansiedade. Por isso, uma abordagem psicológica e psiquiátrica muitas vezes é fundamental no tratamento do zumbido”, diz Rinaldo Lopes de Melo, otorrinolaringologista do Hospital Norte D’Or, no Rio de Janeiro. O efeito pode ser o inverso, quando o zumbido desencadeia sintomas depressivos. Nesse caso, o tratamento precoce contra o problema auditivo ajuda a prevenir a depressão.

2. DOENÇAS CARDIOVASCULARES

As doenças cardiovasculares, como hipertensão e arteriosclerose, prejudicam a irrigação dos vasos sanguíneos do ouvido, conforme explica Rubens Vuono de Brito Neto, otorrinolaringologista do Hospital Sírio-Libanês. Consequentemente, não chegam nutrientes suficientes às células da região, que compensam a falta de estímulo auditivo com o zumbido.

3. PERDA DE AUDIÇÃO

A perda de audição sinaliza que as células do ouvido se lesionaram. “Isso pode acontecer, por exemplo, depois de uma exposição a barulhos intensos”, explica Estelita Betti, otorrinolaringologista do Hospital Albert Einstein. Nesse caso, o sistema responsável pela audição tenta compensar a falta de estímulo auditivo com o zumbido. Pessoas que apresentarem zumbido constante devem procurar um médico para receberem o tratamento adequado.

4. DIABETES

Um alto nível de insulina também pode causar a perda de audição, por prejudicar os estímulos elétricos das vias neurais, responsáveis por enviar a informação do ouvido para o cérebro. Ter o diabetes controlado é ponto chave para o zumbido não ocorrer nesse caso.

5. DORES NO PESCOÇO

Dores na região do pescoço provocadas por tensão ou ansiedade, por exemplo, fazem com que o corpo libere substâncias estimulantes para atenuar o problema. Essa ação, no entanto, também estimula as vias auditivas e provoca o zumbido. Fisioterapia e massagem são formas de atenuar essas dores e diminuir o risco de zumbido.

6. CAFÉ

Por ser uma substância estimulante, a cafeína, presente no café e em chás, pode aumentar a intensidade da atividade das células auditivas, lesionando-as e desencadeando o zumbido.

7. CERA ACUMULADA NO OUVIDO

O acúmulo excessivo de cera nos ouvidos dificulta o trabalho das células auditivas. “Nesses casos, a remoção da cera e o tratamento da infecção na maioria dos casos acabam com o problema”, explica Rinaldo Lopes de Melo.



Fonte: Assessoria



» VEJA TAMBÉM!
POLíCIA  18/10/2017
Greve de agente penitenciários atinge 90% de adesão em MS
GERAL  18/10/2017
Criança de 2 anos é internada em estado grave e polícia suspeita   [...]
POLíCIA  18/10/2017
Jovem sobrevive após levar pauladas, tiros, e ser enterrado com vid  [...]
POLíCIA  18/10/2017
Dois são presos com arma e munições perto de escola
POLíCIA  18/10/2017
Fazendeiro paulista é multado por desmatamento e exploração de ma  [...]

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Untitled Document
TáNaMídia Naviraí
Editor: Umberto Cardoso (Zum)
E-mail: zum@tanamidianavirai.com.br
Endereço: R. Jamil Salem, 27 CENTRO
Naviraí - MS - Brasil
+55 67 9956-1909