Untitled Document

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

QUARTA-FEIRA, 19 DE SETEMBRO DE 2018

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

30 de ABRIL de 2018

Gripes H2N3 e H3N2: tire suas dúvidas sobre os tipos de vírus em circulação

Tradicionalmente, o inverno é tempo de gripe e de problemas respiratórios. A chegada da estação, em junho, traz com ela o aumento do número de casos de adoecimento provocados pelo vírus Influenza. Em 2018, porém, têm causado preocupação boatos que circulam nas redes sociais e apontam a entrada no Brasil de um sorotipo responsável por milhares de casos nos Estados Unidos, o H3N2, e ocorrência de óbitos associados a outro sorotipo do vírus, o H2N3.

Em nota oficial, no entanto, o Ministério da Saúde já esclareceu que não existe circulação de vírus Influenza H2N3 no Brasil. A entidade reforçou que mantém vigilância sobre as variantes de Influenza presentes no país, a partir de uma rede de unidades sentinelas, e destacou que a vacina anualmente oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) protege contra as variações mais comuns em circulação dos vírus Influenza H1N1, H3N2 e Infleunza B. A campanha de vacinação de 2018 teve início na última segunda-feira (23).

Em entrevista para o Portal Fiocruz, o virologista Fernando Motta, pesquisador do Laboratório de Vírus Respiratórios e do Sarampo do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), reforçou que a variante H2N3 não circula entre a população humana e explicou detalhes sobre a disseminação do vírus Infleunza A (H3N2) em nosso território.

O que é o vírus H3N2 e quais os sintomas da gripe que ele provoca?

Fernando Motta (IOC/Fiocruz): O vírus H3N2 é um dos subtipos do vírus influenza A, por isso chamamos de influenza A (H3N2). Os sintomas provocados por este vírus são os clássicos da clínica de gripe: febre alta com início agudo, cefaleia, dores articulares, constipação nasal e inflamação de garganta e tosse. Em alguns casos pode haver vômito e diarreia, sendo estas manifestações pouco frequentes e mais comuns em crianças.

Quais são as cepas de Influenza mais associadas aos casos de "gripe comum" no Brasil? O H3N2 é uma delas?

Todos os anos, as epidemias de influenza são provocadas por variantes de três vírus principais, dois do tipo A: influenza A (H1N1)pdm09 e A (H3N2), e o influenza B, que não tem subtipos. Estes são os vírus que circulam na população humana, podendo haver maior circulação de um ou de outro. O vírus H3N2 tem circulado de modo preponderante desde 2015 no Brasil e no mundo. Por ser um vírus que há décadas adaptado à população humana, ele apresenta um perfil clássico de acometimento de pessoas nos extremos de faixa etária, crianças e idosos, que podem apresentar complicações com necessidade de internação.

Então a entrada no H3N2 no Brasil não é inédita?

Na verdade, os vírus do subtipo H3N2 são bem conhecidos da população humana, em todos os países, inclusive nos EUA e no Brasil. São considerados sazonais desde a pandemia de 1968 (gripe de Hong Kong), quando foram introduzidos na população humana. Logo, são os vírus influenza mais bem adaptados, após quatro décadas de convivo com o ser humano. Não há ineditismo, nesse sentido.

Na sua visão, no que se refere à circulação desse vírus, há motivo para mais preocupação do que nos invernos anteriores?

Apesar de conhecido, a cada ano pequenas mutações podem gerar alterações nos vírus e dar origem a cepas com diferentes comportamentos. Cada epidemia deve ser acompanhada nas diferentes regiões do país. Porém não há motivo para alarmes. A rede de vigilância de Influenza do Ministério da Saúde acompanha semanalmente os casos e a evolução dos vírus de modo a estar apto a intervir no caso de uma mudança de cenário. Enquanto referência nacional em Influenza junto ao Ministério da Saúde, nosso Laboratório atua diretamente nessas atividades de monitoramento.

Então a variante em circulação do vírus H3N2 não é mais agressiva do que o normal?

Trata-se apenas de um boato. Não há qualquer evidência nesse sentido.

O vírus H3N2 poderia causar uma pandemia como a do Infleunza A (H1N1) em 2009?

O vírus H3N2 foi introduzido há décadas na população humana por um processo similar ao que ocorreu em 2009, em um evento de abrangência global – em uma pandemia. A transmissão dos dois é a mesma e o H3N2 só provocaria uma nova pandemia se ocorresse a recombinação de material genético oriundo de uma variante de influenza não humano (por exemplo, se ocorresse um rearranjo genético com amostras de influenza suínas ou aviárias).

Outro boato em circulação, desmentido pelo Ministério da Saúde, fala sobre casos associados ao Influenza H2N3 no Brasil. Esse vírus pode identificar populações humanas?

Não. Isso também não passa de boato. O vírus H2N3 é outro subtipo do vírus influenza A. No entanto, sua circulação está restrita a animais. Nunca foi identificado em humanos em nenhuma região do mundo.

Boatos como esse sempre causam medo de uma pandemia na população. Você poderia explicar como esse tipo de episódio acontece?

Novas cepas do vírus influenza que aparecem em pandemias tiveram algum tipo de rearranjo genético, a partir da mistura entre vírus. Isso pode ocorrer no processo de replicação do vírus quando um mamífero (uma pessoa ou um animal) está infectado por mais de um vírus de Influenza ao mesmo tempo: nesse caso, a célula infectada pode misturar o material genético dos vírus, dando origem a um novo vírus. Isso é diferente do processo de evolução que os vírus Influenza estão constantemente sofrendo, pequenas mutações que ocorrem naturalmente no ambiente e não são capazes de gerar um vírus com potencial pandêmico.

A vacina contra a gripe oferecida pelo SUS no Brasil imuniza contra os vírus de gripe mais comuns em circulação? O Infleunza H3N2 está entre eles?

Sim. A vacina oferecida no Sistema Único de Saúde (SUS) prevê cepas dos subtipos A(H1N1, A(H3N2) e B, ajustadas para serem as mais próximas possíveis dos vírus circulantes na população. Por isso, é importante a vacinação a cada nova campanha, para sempre se estar imunizado com o vírus mais próximo possível daqueles circulantes no país.

Quem tomou a vacina no ano passado ou nos anos anteriores deve se vacinar novamente contra a gripe?

Sim. As vacinas são atualizadas para cada epidemia, e mesmo que apenas um componente seja alterado é importante a renovar a vacinação. Outro aspecto desejado com a nova vacinação é o efeito de 'boost' provocado pela nova vacina, reforçando as defesas ativadas no ano anterior.

A campanha de vacinação é indicada para idosos acima de 60 anos, crianças entre seis meses e cinco anos, gestantes, mulheres até 45 dias após o parto, trabalhadores de saúde, povos indígenas, portadores de doenças crônicas e professores da rede pública e particular. Quem não está nesses grupos, como deve se prevenir?

A vacina pode ser tomada por toda a população salvo contraindicação médica ou alergia a componentes da vacina (a vacina é produzida em ovos). Ela é oferecida pelo Sistema Único de Saúde, gratuitamente, nos postos de saúde. Também pode ser encontrada em clínicas especializadas. Nesse caso, é importante estar atento para a validade do produto e se realmente tem a composição recomendada pela OMS para aquele ano epidêmico. Para todas as pessoas, a recomendação de prevenção é lavar constantemente as mãos com água e sabão, cobrir a boca ao tossir, evitar o contato com pessoas doentes e aglomerações.

Qual é o tratamento indicado para a gripe do H3N2?

O subtipo H3 segue a mesma recomendação preconizada para a influenza sazonal humana. Acompanhamento de suporte para casos sem complicação e sendo necessário, internação e uso de medicamento antiviral específico.



Fonte: Dourados News



» VEJA TAMBÉM!
POLíCIA  19/09/2018
BR-163 -Colisão frontal mata passageiro de caminhonete e deixa trê  [...]
GERAL  19/09/2018
Fachin pede manifestação por conversão de prisão um dia após li  [...]
GERAL  19/09/2018
Com três dias de vida, bebê é picada cinco vezes por escorpião e  [...]
GERAL  19/09/2018
Mega-Sena acumula e deve pagar prêmio de R$ 17 milhões nesta quint  [...]
GERAL  19/09/2018
Suspeito de roubo é agredido e tem perna fraturada por grupo armad  [...]

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Untitled Document
TáNaMídia Naviraí
Editor: Umberto Cardoso (Zum)
E-mail: zum@tanamidianavirai.com.br
Endereço: R. Jamil Salem, 27 CENTRO
Naviraí - MS - Brasil
+55 67 9956-1909