Untitled Document
SEXTA-FEIRA, 25 DE SETEMBRO DE 2020
12 de AGOSTO de 2020

Embrapa sugere cereais de inverno e milheto para composição de rações

Embrapa Milho e Sorgo apresentou o milheto como alternativa para ração animal - Foto: Sandra Brito

Pesquisadores e chefes de centros de pesquisa da Embrapa participaram, na terça-feira (4), da 43ª reunião ordinária da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos, realizada de forma virtual, com representantes do setor produtivo.

A Embrapa apresentou os resultados de pesquisa para utilização de cereais de inverno e milheto na substituição do milho em rações para suínos e aves.

Participaram da reunião Janice Zanella e Frederico Durães, chefes-gerais, respectivamente, da Embrapa Suínos e Aves e da Embrapa Milho e Sorgo.

A Embrapa se dispôs a trabalhar no desenvolvimento de híbridos de milheto com o objetivo de suprir o setor de rações.

A proposta foi feita por Frederico Durães. Como desdobramento, o presidente da câmara, Rui Vargas, agendou nova reunião com os pesquisadores e gestores da Empresa para discutir as estratégias.

Dados de 2019, extraídos da base de informações da Conab, demonstram uma relação desproporcional da área utilizada com as culturas de verão em relação às de inverno – trigo, cevada, aveia, centeio, triticale e canola - na região Sul.

"Nós usamos apenas 15% da área de produção com as culturas de inverno, se compararmos com as culturas de verão", informou Eduardo Caierão, pesquisador da Embrapa Trigo e especialista em melhoramento genético.

"Temos um potencial grande para desenvolver os cereais de inverno na região Sul", afirmou, ao iniciar sua apresentação aos representantes da cadeia produtiva.

Caierão explicou que existem vários cereais cultivados no inverno, mas o trigo tem o maior potencial para alimentação de aves e suínos.

"É também o que ocupa maior extensão de área cultivada e, por isso, capaz de suprir a demanda na eventualidade de abastecer as indústrias de ração.

Contudo, também observamos uma procura recente pelo triticale, que também pode ser usado na mistura da ração para aves e suínos", detalhou.

O pesquisador destacou que o uso de cereais de inverno é uma boa alternativa para substituir parcialmente o milho na ração animal quando o preço estiver acima dos padrões, dispensando a necessidade, inclusive, de buscar o produto em outros estados, o que acarreta aumento no custo final do milho devido ao transporte.

Pesquisas contribuem para aumento de produtividade

Nas últimas décadas, a pesquisa contribuiu para o aumento da produtividade de cereais de inverno. "Passamos de uma produtividade de 700 quilos por hectare a uma média de 2,4 toneladas por hectare.

E ainda temos potencial para produzir mais de seis toneladas de trigo por hectare, sem irrigação, nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná", disse o pesquisador da Embrapa Trigo.

"Há potencial genético não só para o trigo, mas para outros cereais alcançarem a média de seis toneladas por hectare, o que dá três vezes a média que obtemos na região Sul atualmente.

Porém, há muito espaço para percorrer em relação ao que a pesquisa e a genética têm disponibilizado e o que realmente está sendo obtido no campo", complementou.

Adequação para uso em ração animal

Na apresentação, Eduardo Caierão enfatizou que todas as cultivares de trigo podem ser utilizadas no mercado de rações, levando-se em conta a questão energética do amido.

"No entanto, é preciso identificar as cultivares mais resistentes, com maior produtividade e que apresentem boa rentabilidade com menor custo de produção possível", explicou.

Ele citou a BRS Tarumã, com potencial proteico superior ao de outras cultivares. "O que pode ser o diferencial na substituição do milho nas rações", complementou, lembrando que a Embrapa, em parceria com o setor produtivo, busca desenvolver cultivares específicas de cereais para alimentação animal.

"Há muito potencial a ser explorado nessas culturas de inverno", afirmou.

De acordo com o pesquisador, na região Centro-Oeste, sob irrigação, é possível obter rendimentos semelhantes aos da Nova Zelândia e Argentina, países com grande produção de trigo.

Milheto

A Embrapa Milho e Sorgo apresentou os resultados de pesquisa com o milheto, cereal versátil utilizado para formação de palhada em áreas de plantio direto, proteção do solo e reciclagem de nutrientes. De acordo com a UD, o milheto também é usado na alimentação humana na África e na Índia, e sua utilização na alimentação animal começa a crescer no Brasil.

Cícero Meneses, da Embrapa Milho e Sorgo, e Jorge Ludke, da Embrapa Suínos e Aves, apresentaram o potencial do uso de grãos de milheto na alimentação de suínos e aves.

Um dos destaques foi o valor proteico superior ao do milho, além de maior quantidade de aminoácidos essenciais, como a lisina, fundamental para suínos.

"Com relação às suas características nutricionais, o milheto é superior ao milho e ao sorgo. É um produto que tem 30% mais proteína do que o milho", explicou Meneses.

Segundo ele, com mais pesquisas científicas, o produto poderá se consolidar como um importante alimento na cadeia de rações.

"Sabemos que, quando a soja está com preço elevado, os produtores buscam o milheto para reduzir a quantidade de soja na ração. Podemos melhorar essa oferta", disse o pesquisador.

Ele ressaltou que, para o frango de corte, o milheto substitui o milho em 60% na fase inicial e 70% na fase final. Para suínos, o uso pode variar entre 67% na fase inicial e 86% na fase final.

"É interessante notar que, no caso do frango de corte, pode-se dar o grão inteiro, resultando em uma economia muito interessante, pois não é necessário moagem e o grão pode ser armazenado na fazenda", complementou.

O milheto é um cereal comum, porém ainda utilizado apenas na palhada. Seu ciclo é curto, variando de 75 a 120 dias, e já existem materiais no mercado de alta produtividade.

A palhada do milheto é muito importante para a soja e o manejo de nematóides. Porém, de acordo com Meneses, existem carências de pesquisa, estudos de mercado e incentivos para a cadeia produtiva.

Outros destaques

Além das pesquisas da Embrapa com cereais de inverno e milheto, outro destaque na reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Aves e Aves foi a apresentação do panorama do setor durante a pandemia de covid-19, realizada por Francisco Turra, ex-ministro da Agricultura e presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Ele falou sobre as medidas preventivas adotadas nos frigoríficos, que têm contribuído para o mínimo de contaminação dos trabalhadores.

Outros temas, como a revisão de normas para o setor e boletins sanitários, também fizeram parte da pauta da 43ª reunião.



Fonte: Secretaria de Inteligência e Relações Estratégicas (Sire)



» VEJA TAMBÉM!
GERAL  25/09/2020
Segundo Presídio Masculino da Gameleira será inaugurado ainda neste ano
GERAL  25/09/2020
Bombeiros voltam a exigir brigada de incêndio em construções
GERAL  25/09/2020
Vale oferece 130 vagas para trainees e inscrições encerram em cinco dias
POLíCIA  25/09/2020
Mulher é presa com droga em rodoviária um semana após sair da cadeia por assalto
ENTRETENIMENTO  25/09/2020
Veja a previsão do Horóscopo para hoje 25 de Setembro
Untitled Document
TáNaMídia Naviraí
Editor: Umberto Cardoso (Zum)
E-mail: zum@tanamidianavirai.com.br
Endereço: R. Jamil Salem, 27 CENTRO
Naviraí - MS - Brasil
+55 67 9956-1909